Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 1999 ______________________________________________________________http://now.at/marconunez/tvglobo.html

- A Revista Época (da Editora Globo) e a alemã Focus -

Desde simples Seções e artes conexas, até mesmo "acabamento" das páginas... a cópia é total. E, acredito, desnecessária. Pois não resulta em nada de bom para a Época, nem para a Focus. Além de ser um demérito à extensa lista de profissionais envolvidos na "criação" da Época. Apesar da notinha de que possuem "acordo" para veiculação de notícias, o que se encontra vai "muito além" disso. Não é nem o caso Paris Match x Manchete (estilos parecidíssimos). Na ÉPOCA o caso é de cópia-barata até mesmo de "artes" internas da Revista, diagramações idênticas e o escambau...
É tudo que alguns desejam para continuarem a nos chamar de "macaquitos". E isto é muito humilhante.

Nos Créditos e Expediente da alemã FOCUS não há nenhuma referência à ÉPOCA, sequer ao Brasil.

Copiar ou se aliar a um estilo-vencedor, em voga, é uma coisa... o que a Época faz é outra! Haverá uma explicação lógica?


Carta ao Dr. Roberto Marinho e filhos.

Senhores,

Porque fazem isso comigo, a imprensa?

Porque fazem isso com eles mesmos?

Porque fazem isso com os senhores?

É a criatividade brasileira?
Os senhores não tem nada com isso, tenho certeza.

A maioria dos jornalistas e artistas também não.

É uma minoria, os mesmos que encontram
mil-e-um defeitos em meus "escritos" e trejeitos...
Só não encontram o mérito de tudo que descobri.

Só não reconhecem a criatividade do programa TALDOWIN, protegendo os computadores utilizando os recursos que nem o "genial" Bill Gates enxergou em seu próprio Windows.

-Os senhores não tem nada com isso!!!

Porque afirmo com tanta certeza?

Porque ao chegar na TV Globo havia lá uma empresa que cuidava das Comunicações do Jornalismo da emissora. E de pronto provei que "nós da Globo" poderíamos dar manutenção-independente em tais rádios e repetidores.

Fui mais além... projetei aparelhos que a tal empresa dizia ser impossível "nacionalizar".

O dono era amigo do poderoso Boni. O mesmo Boni que eu me negava a atende-lo em manutenções de suas (dele) residências... enquanto outros técnicos "faziam de tudo" para agradá-lo.

E nunca fui "perseguido" ou boicotado em meu trabalho, por não ir com a cara do Boni.

Pelo contrário, eu era julgado somente por minhas qualidades técnicas e o que de bom poderia trazer para a Globo, em inovações técnicas nas Comunicações do Jornalismo.

Meu objetivo era agradar e fazer o melhor possível "pela TV Globo". Pelo Jornalismo.

Meu objetivo é o melhor possível "pelo Brasil".

Mentes corrompidas podem entender isso como um "ataque" à Revista ÉPOCA.

Nada disso, inclusive foi muito digna comigo... me telefonaram de retorno, à época, cerca de 1 ano atrás, falando claramente que "as coisas do Windows não interessavam, e queriam era outro tipo de informação..."

Não topei.

Mas nem por isso fizeram o que outra revista fez... A outra me enganou e traiu.
A ÉPOCA apenas não se interessou.

Porém, recentemente, agora, fui notícia em O Globo. Meu trabalho cresceu. Mostrei mais coisas que na ocasião eu ocultava por medo de perder a primazia das descobertas e soluções.

Acho que seria hora de reconhecerem o que descobri e criei. Daí mandei e-mails para a ÉPOCA, nov99.

E ninguém me responde. Nada! Porque?

E mais porquês... (humildemente)

Porque não adaptam e publicam O TAL DO WINDOWS pela Editora Globo?

Porque não me ajudam a relatar o que mais me perguntam "como descobri tais coisas?", e transformam em um Livro ou coisa do gênero?

Porque não instalam o TALDOWIN, o programa, e testem tudo que ele faz sem usar nada "externo" ao Windows?

Tantos profissionais competentes que poderiam ajudar a demonstrarmos nosso talento diante destes softwares ditos geniais e insuperáveis.

Estes profissionais é o que não falta nas Organizações Globo.

Mas "alguns" só têm críticas à minha pessoa, coisas pessoais ou resultante do todo o stress originado por tanto desprezo e mal-entendidos, neste quase dois anos de "marcha"... de guerrilha.

Nunca fui perfeito, mas também nunca fui mau-caráter.

E poderia escrever muito mais, mais detalhes, mais fatos... e só o farei se me solicitarem.

Mas saibam que isso vai muito mais longe, o que não falta é material para bem demonstrar a falta de criatividade, a predisposição à cópia, o desprezo pelo talento nacional... da parte de "alguns".

Mas o que lhes peço, Organizações Globo - Família Marinho, é o de sempre.
Divulgação ao meu trabalho. Orientação. Ajustes. Qualquer coisa eu aceito para aprimorá-lo e poder veicular o que os "farsantes da Informática" mais desejam esconder: a Verdade.

Muito respeitosamente,

E confiante em seus justos entendimentos.

Marco Nunez
_______________________________________________

Relatórios pormenorizados, e com ilustrações, à disposição da Globo:

-A sindicância Época x Focus.

-A verdade técnica do Grampo no Presidente Itamar.

-Aspectos técnicos do Grampo do BNDES.

-Toda a pesquisa e fatos que resultaram em O TAL DO WINDOWS (livro e programa).

E outros... sempre como tema "A Criatividade Brasileira em Tecnologias".


"Em todos os meus anos de Internet, nunca encontrei uma criatura digital tão fora do comum quanto esse magistral fuçador"
(Carlos Alberto Teixeira, jornal O Globo)